Comédias românticas há muitas e, nos últimos anos, contam-se mais más que boas. Juntar amor e humor não é definitivamente tarefa fácil e é muito comum cair-se nos mais recorrentes erros e clichés. Mas Amor, Estúpido e Louco é, felizmente, um respirar de alívio dentro do género, juntando-lhe ainda uma boa dose de drama que só lhe faz bem. Para além de contar uma história que se afasta um pouco daquilo a que se está habituado, o elenco de Amor, Estúpido e Louco deveria ser, desde já, um óptimo motivo para assistir ao filme.

Cal Weaver (Steve Carell) tem um bom emprego, uma boa casa, uns filhos fantásticos e um casamento com a namorada dos tempos de liceu. Contudo, tudo muda quando fica a saber que a mulher o traiu com um colega de trabalho e quer o divórcio. Para piorar ainda mais toda a situação, Cal parte para o mundo dos solteiros com a desvantagem de não namorar há décadas, desconhecendo por completo as regras actuais que tornam um homem atraente. Felizmente, conta com a ajuda de Jacob (Ryan Gosling) um conquistador que fará tudo o que puder para trazer Cal de volta ao mundo da sedução e do sucesso junto das mulheres. No entanto, ambos vão descobrir que no amor nada é simples ou racional.

Dos realizadores de I Love You Phillip Morris, Glenn Ficarra e John Requa, e com argumento de Dan Fogelman, Amor, Estúpido e Louco, é, sem dúvida, um filme que vai muito além do que aparenta ser à primeira vista. As relações são o grande foco. Encontros, desencontros, coincidências, que farão rir e chorar. E essa é uma das grandes qualidades de Amor, Estúpido e Louco. Há uma alternância de momentos de humor para outros mais dramáticos extremamente bem conseguida. É bem provável que o espectador dê por si a divertir-se com determinada cena, passando na seguinte a partilhar da dor das personagens. Não existe qualquer exagero no que toca a gargalhadas como o trailer parece fazer crer. Tudo aqui é bem medido, e nada é previsível, mas tudo se liga. As surpresas sucedem-se até ao momento mais alto do filme, onde tudo passa a fazer sentido, e é digna de mérito a forma como tudo está construído, sem fazer adivinhar o que aí vem.

As personagens são reais, tanto que podem ser facilmente encontradas semelhanças com qualquer um de nós. Tal como as próprias situações vividas pelos personagens são facilmente identificáveis (talvez de forma um pouco menos caricata do que alguns dos exemplos) à nossa volta: O divórcio de Cal e Emily e o seu efeito no protagonista; a sua relação com o filho; a mudança que se verifica em Cal, depois de conhecer Jacob; a mudança deste após conhecer Hannah; o amor não correspondido de Robbie por Jessica; os mal-entendidos entre famílias amigas.

De destacar claro, é o fantástico elenco de Amor, Estúpido e Louco, que reúne as jovens promessas da actualidade Ryan Gosling e Emma Stone, e os veteranos Julianne Moore, Steve Carrel, Kevin Bacon e Marisa Tomei. Carrel, o eterno Virgem aos 40, está a jogar em casa nesta comédia e, como de costume, sai-se muito bem na pele de Cal, mesmo nas cenas mais dramáticas. Já a lindíssima Julianne Moore encarna uma divertida, e por vezes caricata, Emily, com o talento que já lhe é habitual. Gosling e Emma Stone provam, mais uma vez, que são dos mais talentosos actores da sua geração, protagonizando as cenas mais românticas de Amor, Estúpido e Louco. Com papéis mais pequenos, mas não menos importantes no decorrer da história, Marisa Tomei e Bacon vêm ajudar a mostrar como o amor pode ser estúpido e louco, sendo ambos, de alguma forma, os responsáveis pela separação do casal protagonista.

Amor, Estúpido e Louco revela-se um filme muito bem conseguido e cheio de surpresas, a todos os níveis, apesar de um ou outro cliché inevitável. Com quantidades bem medidas de humor e drama, este filme sobre o amor e as relações mostra, de forma muito realista, quão estúpidos e loucos estes podem ser. Porque é assim que se quer o amor.

7.5/10

Ficha Técnica

Título original: Crazy, Stupid, Love

Realizado por: Glenn Ficarra e John Requa

Escrito por: Dan Fogelman

Elenco: Steve Carrel, Julianne Moore, Ryan Gosling, Emma Stone, Kevin Bacon, Marisa Tomei

Género: Comédia, Drama, Romance

Duração: 118 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos