Apenas com um disco e dois EPs editados, os Diabo na Cruz são uma das bandas que mais sucesso fazem por onde quer que passem. A sua música distingue-se desde já por ser um rock tradicional pouco usual, que vem para animar e não deixar ninguém indiferente.

Jorge Cruz (voz e guitarra), B Fachada (braguesa), João Pinheiro (bateria), Bernardo Barata (baixo) e João Gil (teclas), todos eles associados também a outros projectos musicais, formam os Diabo na Cruz.

A banda, que surgiu em 2009, lançou-se com o EP Dona Ligeirinha, editado pela FlorCaveira, editora a que têm estado sempre associados. Pouco tempo depois, surgiu o álbum Virou!, que reúne os temas mais famosos da banda como o homónimo do EP Dona Ligeirinha e outros como Os Loucos Estão Certos, Bico de um Prego, O Regresso da Lebre (com a colaboração de Vitorino), Bom Tempo ou Tão Lindo, por exemplo. No final de 2010, a reedição de Virou! trouxe como bónus o EP Combate que oferece aos fãs mais cinco temas: Eito Fora, Macaco de Imitação, Combate com Batida (que conta com a participação de Sérgio Godinho), Lenga-Lenga e Gala do Amor Segredo.

httpv://www.youtube.com/watch?v=hR32N2yXXUQ

(Dona Ligeirinha)

No que toca a espectáculos, por onde quer que Diabo na Cruz actue é para fazer a festa. Em palco a banda é incansável e é aí que conquista totalmente o público. Cada concerto de Diabo parece ser melhor que o anterior e os fãs, esses, saltam, dançam e cantam, acompanhando os temas que melhor conhecem. O grupo já percorreu Portugal de lés-a-lés e ganha admiradores a cada passagem. Recentemente, a banda passou pelo palco secundário do Optimus Alive, substituindo Dizzee Rascal, à última hora. Apesar de não estar inicialmente no cartaz do festival lisboeta, Diabo na Cruz ofereceu aos (muitos) presentes um concerto mais curto que o habitual, mas com tanta ou mais energia. O recinto em volta do palco Super Bock do Alive ’11 encheu-se para os ver.

Um pouco mais polémica foi a actuação da banda em Outubro de 2010, no arraial do caloiro do Instituto Superior Técnico. A banda foi a última a tocar (devido a alterações no alinhamento, que inicialmente previa que fossem os penúltimos) e eis que o grupo não pôde dar o concerto até ao fim, devido à hora tardia que já não permitia tantos decibéis. Quando o som foi cortado, os Diabo na Cruz demonstraram o seu desagrado por entre microfones no chão e Barata e Gil de calças para baixo.

httpv://www.youtube.com/watch?v=cloJ9IDDi9g&feature=player_embedded

(IST 2010)

Contudo, esse episódio isolado não deixa de fazer com que os concertos de Diabo na Cruz sejam obrigatórios para qualquer fã de música. A alegria e a festa reinam do início ao fim e a interacção de Jorge Cruz com o público é sempre muita e correspondida. A Festa do Avante, o festival MED, o Sudoeste ou as Noites Ritual são alguns dos eventos que já receberam a banda. Recentemente passaram por Mértola, Vila de Rei, Açores ou Tondela, numa digressão que acabou há poucas semanas.

São uma das grandes revelações dos últimos tempos, com a sua mistura de rock e folclore tradicional, letras divertidas e cantam sempre em português. Os Diabo na Cruz, esperamos nós, parecem ter vindo para ficar. E já fazia falta uma banda como esta.

Para saber mais sobre o grupo basta aceder ao facebook e myspace oficiais.

Inês Moreira Santos