Uma exposição de temática homossexual conceptualizada pelo artista João Pedro Vale e com data de inauguração anunciada para 2 de Setembro na galeria Arte Tranquilidade, em Lisboa, acabou por ser cancelada devido a “uma questão de homofobia”, acusa o artista.

A companhia de seguros Tranquilidade, empresa gestora daquela galeria de arte, está alegadamente por trás da decisão que indignou João Pedro Vale. O jornal Público veicula as justificações apontadas pelo artista: “Foi-me dito que a exposição poderia ferir a sensibilidade dos ‘stakeholders’ da Tranquilidade, foi essa a palavra utilizada”, referiu a propósito de uma reunião recente com o director de marketing da companhia de seguros. Mas só ontem recebeu a confirmação de que o seu projecto estava condenado a “morrer na praia”: “A direcção de marketing da Tranquilidade comunicou-me que o projecto no seu todo poderia suscitar polémica e que não era compatível com os valores da empresa”.

Intitulada “P-Town”, a exposição que João Pedro Vale desenvolveu em parceria com Nuno Alexandre Ferreira incide sobre uma série de materiais recolhidos na cidade norte-americana de Provincetown, que serviriam para pensar a questão sexual em articulação com a arte e a sociedade: “Uma das peças era uma ‘fanzine’ cuja capa mostra um monumento transformado em símbolo fálico, outra é um conjunto de toalhas de praia com inscrições em ‘stencil’ de frases como: ‘Legalize butt sex’ ou ‘AIDS is killing artists, now homophobia is killing art”.

O artista de 34 anos expõe individualmente desde 2000 e habitualmente assina obras com foco no tema da homossexualidade.