No De 0 a 20 desta semana, analisamos mais um programa da televisão portuguesa e elegemos o melhor e o pior das duas últimas semanas. Nesta edição iremos comentar o programa Chamar a Música, apresentado por João Manzarra.

Na última edição do De 0 a 20, na rubrica O Melhor e o Pior, foi dado ao Chamar a Música o benefício da dúvida. Na altura em que a opinião foi escrita, apenas tinham sido emitidos dois programas. Nessas duas primeiras emissões pudemos ver um Manzarra divertido, ao que já estamos habituados. Contudo, o apresentador ainda não estava totalmente à vontade na condução do programa. Um pouco agarrado aos cartões, sem acrescentar muito mais ao pré-estipulado.

Contudo, houve uma melhoria notória da primeira para a segunda emissão. No segundo programa de Chamar a Música, onde as convidadas foram  apresentadoras da SIC , de onde se destacaram as divertidas Júlia Pinheiro e Conceição Lino, João Manzarra esteve mais à vontade e houve uma notória melhoria. A partir daqui, o rapaz continuou solto e a cumprir o que lhe era pedido.

Numa entrevista dada antes da estreia do programa, o apresentador disse que as comparações com o Herman não poderiam ser feitas porque os dois tinham estilos de apresentação diferentes. Contudo, tal comparação é inevitável, pois trata-se do mesmo programa e o apresentador está no mesmo registo. Se por um lado João Manzarra ganha pela sua simpatia e diversão genuína, Herman José leva a melhor no que toca à experiência, conhecimentos musicais e capacidade de improviso. Qual deles é o melhor? Seria injusto dizê-lo, porque apesar da comparação ser inevitável, João Manzarra tem razão: são dois apresentadores com estilos diferentes, em diferentes pontos da sua carreira.

A nova mecânica do jogo, tendo em conta que os convidados são famosos, acaba por torná-lo mais aliciante para quem o vê em casa. Enquanto que na 1ª temporada do programa, os concorrentes competiam individualmente, aqui os famosos competem em duplas. E mesmo em termos de concorrentes, torna-se bem mais interessante ver famosos a jogar do que anónimos.

Como já foi dito, a segunda emissão foi especialmente divertida, pelas convidadas que marcaram presença. Contudo, não deixa de ser importante referir que a estratégia de levar ao programa três apresentadores que acabaram de sair da SIC Radical e outros três menos mediáticos junto do grande público, foi uma boa forma de os promover e testar na SIC generalista. Porque o próprio Manzarra começou como eles, e um dos ex-CC pode muito bem apresentar um programa em horário nobre, na SIC, mais cedo do que pensamos…

Falando agora dos cantores, a qualidade é um pouco inferior nesta segunda edição. Uma Vanessa que dá o seu melhor mas que não está na sua melhor fase (com uma imagem que também não a favorece nada). Um Sérgio que tem uma voz inconfundível e com grande capacidade, mas um pouco limitada e que em alguns temas não resulta nada bem (neste campo, Pedro Mimoso era uma das vozes mais versáteis). Ricardo Soler continua igual a si mesmo, com uma qualidade vocal bastante boa, sendo o melhor cantor do programa.

Sendo esta a grande aposta para os serões de Domingo na SIC, neste Verão, e para que houvesse um certo distanciamento com a edição anterior, teria sido importante uma aposta na mudança do cenário e do grafismo. A abelha continua a voar (nada contra o pobre animal!), o cenário é igual ao anterior, o logotipo não mudou e as bailarinas ‘abelhinhas’ continuam a dançar entre cada jogo.

De resto, é importante salientar que o Chamar a Música conseguiu segurar a audiência de Peso Pesado e está a conseguir bons resultados a níveis audiométricos. Logo no programa de 7 de Agosto, dia em que estreou na TVI o programa Canta Comigo, Manzarra levou a melhor. Nessa noite, Manzarra conquistou 11.3% de audiência, enquanto que Rita Pereira não foi além dos 7.8% de share.

E até ao final de Setembro, João Manzarra continua a chamar a música na SIC, aos Domingos. Um formato que até poderia ter sido diário neste Verão (uma boa alternativa a Não Há Crise!) e que tem trazido alegrias à estação de Carnaxide. Leve e divertido, é o ideal para os serões de Verão. Esperemos que João Manzarra regresse em breve num programa maior, num grande formato, quem sabe, Factor X

Nota Final: 16/20