capitao-america-escudo-classico

O Herói Americano

Mais uma vez este ano, outro herói saltou dos quadradinhos para os ecrãs de cinema. Capitão América: O Primeiro Vingador chega hoje a Portugal envolto em grande expectativa pela boa aceitação que está a ter no seu país natal.

Criado para a banda desenhada por Joe Simon e Jack Kirby, é em 1941, em plena segunda Guerra Mundial, que Steve Rogers, ou Capitão América, cujo escudo com as cores da bandeira dos EUA é a imagem de marca, surge pela primeira vez, conquistando uma legião de fãs durante o conflito, mas acabando por cair um pouco no esquecimento depois disso.

Contudo, este ano, o seu regresso ao grande ecrã pôs todas as atenções para si viradas novamente. O filme, no entanto, não traz grandes novidades como parecia fazer prever. É Joe Johnston (Jumanji, 1995; October Sky, 1999; O Lobisomem, 2010) quem realiza, e cabe a Chris Evans vestir a pele de Steve Rogers, numa interpretação mediana. A personagem, todavia, mostra-se interessante, bem como o período em que a história se passa.

Capitão América: O Primeiro Vingador passa-se em 1940, durante a Segunda Guerra Mundia, quando a Europa se encontrava ameaçada pela Alemanha e pelos seus ideais nazis. Steve Rogers (Chris Evans) é um jovem americano, com uma fraca aptidão física e saúde debilitada, mas que ambiciona ir para o exército americano combater. Depois de, por diversas vezes, ter sido considerado inapto, Rogers acaba por se voluntariar para um novo programa governamental dirigido pelo Dr. Abraham Erskine (Stanley Tucci), com o intuito de criar super soldados.

Depois de ser seleccionado pelo general Chester Phillips (Tommy Lee Jones) é, posteriormente, transformado num herói com super-poderes, passando a chamar-se Capitão América. Este programa visa defender o mundo da HIDRA, uma organização nazi liderada pelo vilão Johann Schmidt/Caveira Vermelha (Hugo Weaving), um homem sem escrúpulos que, tal como Hitler, acredita na supremacia da raça ariana e quer dominar o mundo. O Capitão América torna-se, assim, a única esperança para o derrotar.

Esta adaptação da criação da Marvel não resultou num grande filme. A história é já conhecida, pelo menos para os fãs, mas não deixa de despertar interesse tanto aos seguidores das histórias como a meros curiosos, também no que respeita ao período histórico em questão, tão marcante. Todavia, o filme traz-nos apenas mais uma história de super-heróis, como tantas outras já feitas.

De destacar são talvez os valores que se transmitem através do protagonista. Um rapaz que, apesar de fraco, revela uma coragem fora do comum e nunca desiste, fazendo tudo para salvar os que lhe são mais queridos. Apesar de cliché, é apresentado um Steve Rogers com valores fortes que não deixa de lado nem quando ganha super-poderes. Dada a época, havia talvez a necessidade de realçar as virtudes do homem americano e Capitão América parece surgir como um modelo.

Mais uma vez, o entretenimento está aqui em jogo acima de qualquer outra coisa e, nesse aspecto, o filme poderia ganhar sendo um pouco mais curto. Há ainda alguns momentos de humor interessantes, apesar de isso não ser o essencial em Capitão América: O Primeiro Vingador. Os efeitos especiais são bons e não se recorre a grandes exageros. O único exagero a apontar será o 3D, desnecessário. A técnica utilizada para “encolher” o protagonista funcionou bastante bem. Ainda no que toca a efeitos especiais, a luta final entre o super-herói e o vilão Caveira Vermelha é, a meu ver, dos melhores momentos do filme. A banda sonora é do compositor Alan Silvestri (cuja filmografia é vastíssima) e encaixa bastante bem.

O elenco conta com grandes nomes como Hugo Weaving (Matrix, V de Vingança, O Senhor dos Anéis, O Lobisomem) ou Tommy Lee Jones (Homens de Negro, Este País Não É para Velhos), que se saem bastante bem nos seus papéis. Weaving, representa na perfeição um Caveira Vermelha implacável e poderoso, com uma força praticamente ao mesmo nível do Capitão América. Lee Jones está também muito bem na pele do Coronel Chester Phillips. Quem também se destaca no filme é a bela Hayley Atwell como a corajosa Peggy Carter. Já Chris Evans, apesar de não estar brilhante, faz um trabalho aceitável e acaba por ser credível como Capitão América.

No final do filme há uma surpresa, e há que esperar pelo final dos créditos para assistir a mais um teaser d’ Os Vingadores, com estreia prevista para o próximo ano, onde o Capitão América (juntamente com outros heróis da Marvel) regressará.

Capitão América: O Primeiro Vingador, não supera Thor (cuja crítica do Espalha-Factos pode ser relida aqui), que também teve estreia este ano e que, para mim, havia sido uma boa surpresa dentro deste género de filme. No entanto, não deixa de ser um filme que entretém q.b, com um herói que desperta curiosidade e um vilão à altura. Agradará de certo aos fãs da Marvel, os outros ficar-lhe-ão provavelmente indiferentes, mas não deixarão de passar alguns bons momentos com este herói americano.

6.5/10

Ficha Técnica

Título original: Captain America: The First Avenger

Realizado por: Joe Johnston

Escrito por: Christopher Markus, Stephen McFeely, Joe Simon (banda desenhada) e Jack Kirby (banda desenhada)

Elenco: Chris Evans, Tommy Lee Jones, Hugo Weaving, Hayley Atwell

Género: Acção, Aventura, Ficção Científica

Duração: 124 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
“Fica Bem”. Novo programa da SIC Caras será apresentado por Cláudia Borges