Quando se junta uma lenda da história do cinema, como Spielberg, a uma jovem promessa, como Abrams, a expectativa tem de ser muito elevada. Depois de Missão Impossível III (2006) e Star Trek (2009), o criador de Lost regressa à realização. Este thriller de ficção científica, género onde Spielberg é mestre, chega finalmente aos cinemas portugueses (com mais de um mês de atraso, tendo em conta que a estreia nos EUA foi a 10 de Junho). Super 8, que junta o talento de J. J. Abrams na realização e argumento e a experiência do “mais-que-consagrado” Steven Spielberg na produção executiva, parece reunir o fundamental para este filme ser muito mais do que um simples blockbuster.

No entanto, o resultado não é tão surpreendente como se fazia esperar e, arrisco mesmo dizer, Super 8 traz mais do mesmo, apesar da inegável qualidade, principalmente a nível técnico. O argumento é por isso o ponto mais fraco de Super 8, que conta com um elenco muito jovem mas igualmente talentoso, uma realização e fotografia de alto nível, bem como efeitos especiais de excelência.

Corre o ano de 1979, em Ohio, quando, uma noite, um grupo de adolescentes resolve ir filmar o seu próprio filme de zombies para junto de uma linha de comboios com uma câmara Super 8. Enquanto filmam, mesmo ao seu lado, um comboio de mercadorias choca com uma carrinha, o que provoca o seu descarrilamento e consequente explosão. Ao rever o sucedido em filme, o que parecia um acidente revela-se algo de muito sinistro. Ao mesmo tempo, começam a desaparecer misteriosamente pessoas na cidade, desaparecimentos esses que podem estar relacionados com os acontecimentos daquela noite. Os jovens estão decididos a desvendar o mistério e decidem investigar por conta própria, apesar dos riscos que correm.

O trailer deste filme fazia prever algo de surpreendente, fazendo jus a todo o mistério que envolveu Super 8, cuja publicidade recaiu, inevitavelmente, nos nomes de Spielberg e de Abrams. Ao longo do filme notam-se claramente algumas influências do primeiro; já do segundo esperar-se-ia muito mais.

Do criador de uma série como Lost, fazia-se prever um argumento bem mais complexo e original do que o que se apresenta. Super 8 é demasiado linear e até previsível, a partir de certo ponto da história. O entretenimento está garantido, mas seria bem mais interessante fazer o espectador pensar. Há alguns bons momentos de suspense, mas o mistério, que parece ser tão grande ao início, depressa se desfaz e, a determinado momento, já se consegue prever como tudo acaba. Numa das cenas mais decisivas, ao dar-se o encontro entre o protagonista e o misterioso ser causador dos desaparecimentos, apesar da emoção poder ser sentida por quem assiste, é também evidente como os acontecimentos se vão desenrolar.

Por outro lado, o elenco, que conta com nomes bastante jovens, como Elle Fanning, Riley Griffiths ou Ryan Lee, por exemplo, revela-se um ponto forte. Os adolescentes têm desempenhos ao nível de muitos adultos, em especial Elle Fanning (Somewhere – Algures), como Alice Dainard, que parece seguir os passos da irmã Dakota. Também Joel Courtney, na pele do protagonista Joe Lamb, e o estreante Riley Griffiths (Charles), se saem muito bem. Quem também merece destaque é Kyle Chandler, como Jackson Lamb, polícia e pai de Joe.

A direcção de fotografia, a cargo de Larry Fong, é merecedora de mérito, a par dos efeitos especiais, que são especialmente bons. A cena da explosão do comboio é um bom exemplo dessa qualidade, aliada a um excelente trabalho de som. A banda sonora de Michael Giacchino (Up, Star Trek, Missão Impossível III), confere também uma aura especial ao filme.

Para quem ficar curioso acerca do resultado final do filme de zombies filmado pelos jovens ao longo de Super 8, os créditos finais trazem consigo esse bónus, que arrancará sorrisos à sala de cinema.

Super 8 revela-se sim bom entretenimento, mas é pouco mais do que isso. Um filme com bons momentos, mas com uma história que pouco acrescenta ao que já se fez, chegando mesmo a ser demasiado previsível. É evidente a desilusão daqueles que, como eu, esperavam bem mais do que um blockbuster de Verão. Abrams e Spielberg prometiam bem mais que isso.

6.5/10

Ficha Técnica

Título original: Super 8

Realizado por: J. J. Abrams

Escrito por: J. J. Abrams

Elenco: Joel Courtney, Kyle Chandler, Elle Fanning, Riley Griffiths, Ryan Lee, Ron Eldard

Género: Mistério, Ficção Científica, Thriller

Duração: 112 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos