O Festival internacional de Cinema de Terror de Lisboa, MOTELx, está já agendado para decorrer entre 7 e 11 de Setembro, no cinema São Jorge. As curtas a concurso nesta edição já estão escolhidas.

O Prémio MOTELx Melhor Curta Portuguesa 2011, concurso que decorre no festival, tem já seleccionadas as curtas-metragens de terror a concurso. A selecção foi feita de entre 70 candidatos.

O júri deste ano é constituído por Nicolau Breyner, actor, realizador e produtor, Frederico Serra, realizador, e por um convidado internacional a anunciar. Estes serão os responsáveis pela atribuição do prémio de 3 000 euros ao primeiro lugar, e ainda 5 000 euros em pós-produção vídeo na Pixel Bunker, 3 000 euros em pós-produção áudio na Obviosom e um fim-de-semana num hotel Belver.

A edição deste ano orienta-se para uma reflexão do estado do cinema de terror na actualidade, tentando um olhar mais focado no presente e no futuro e não tanto no passado. Assim, um dos homenageados de 2011 só poderia ser Eli Roth, o realizador que pega no passado como forma de chegar ao futuro numa altura em que, segundo a organização do festival, “o terror se faz apenas de remakes e efeitos digitais”. Também Sion Sono será alvo de retrospectiva pelo seu “universo particular”.

Fica ainda o destaque para o filme Cartas de Amor de uma Freira Portuguesa, exibido no âmbito do Quarto Perdido, secção do festival destinada a relembrar os clássicos esquecidos. Este em particular pertence a Jess Franco, chega-nos de 1977 e conta com a participação de Ana Zanatti, Vítor de Sousa, Herman José, Nicolau Breyner, José Viana, Vítor Mendes. Baseado nas cartas escritas pela freira Maria Alcoforado, prepara-se para ser redescoberto.

Ainda nesta secção, estará a longa-metragem de Edgar Pêra, apresentada no último IndieLisboa, O Barão, a partir do livro de Braquinho da Fonseca com o mesmo nome.