Filha rebelde

Processo ‘A Filha Rebelde’: A Decisão

Foi lida hoje no Tribunal Criminal de Lisboa (TCL), pelo juiz António Passos Leite, a sentença do processo iniciado em Maio deste ano sobre a peça A Filha Rebelde apresentada em 2007 pelo Teatro Nacional D. Maria II, tendo saído absolvidos os três arguidos do mesmo.

Margarida Fonseca Santos, autora do texto, Carlos Fragateiro e José Manuel Castanheira, ex-directores da instituição, eram os arguidos do processo motivado por uma queixa privada apresentada por Berta da Silva Pais Ribeira e Carlos Alberto Mano da Silva Pais, que alegavam que o referido espectáculo teatral ofendia a memória do tio, Fernando Eduardo da Silva Pais, último director da DGS/PIDE, que desempenhou o cargo entre 6 de Abril de 1962 e 25 de Abril de 1974.

Os arguidos foram acusados dos crimes de difamação e ofensa à memória de pessoa colectiva, visto os queixosos considerarem que a peça responsabilizava o tio pelo assassínio do General Humberto Delgado naquela que ficou conhecida como “Operação Outono”. Reclamando uma indemnização de 30 mil euros, consideravam inclusive que a criação teatral, baseada no livro homónimo dos jornalistas José Pedro Castanheira e Valdemar Cruz, maltratava a relação entre Annie Silva Pais e o director da DGS/PIDE, seu pai.

Os ex-arguidos afirmaram aos jornalistas que este julgamento “foi um favor à democracia”, reforçando que o mesmo suscitou todo um debate em torno da ditadura e da democracia, acabando por privilegiar a liberdade de expressão.

Margarida Fonseca Santos considerou, à saída da sessão, que “é preciso lutar pela liberdade todos os dias”, tendo José Manuel Castanheira reconhecido que o julgamento acabou por ser “pedagógico”.

Nas alegações finais do processo, os advogados de defesa e o procurador da república, Abel Matos Rosa, tinham pedido a absolvição dos arguidos por entenderem não ter ficado provado qualquer crime, o que se veio a confirmar pela decisão do TCL.

Da parte dos queixosos apenas Berta Silva Pais Ribeiro marcou presença na sessão, tendo-se recusado a prestar declarações aos órgãos de comunicação social. A advogada de acusação recusou-se também a informar se vai ou não recorrer da sentença.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cristina Ferreira
Cristina Ferreira vs. SIC. Apresentadora pede mais tempo para preparar defesa em tribunal