Victor Manuel Marques Espadinha ou simplesmente Victor Espadinha. O músico, jornalista e actor português, mais conhecido por cantarolar o Recordar É Viver, que marcou gerações. O artista que deixou a sua essência no coração dos portugueses e o talento em vários palcos. Este ano, é com uma mala cheia de peças, canções e ainda mais histórias por contar que Victor Espadinha celebra 50 anos de carreira.

Nasceu em Lisboa em 1939, mas deu os primeiros passos na vida artística em Lourenço Marques, designação antiga de Maputo, capital de Moçambique, onde esteve de 1956 a 1964 no Teatro Avenida. A acrescentar mais linhas às suas “escritas”, foi ainda jornalista no jornal moçambicano A Tribuna, trabalhando mais tarde na Rodésia do Norte, numa estação televisiva inglesa.

Em 1966, pouco tempo depois de ter regressado a Portugal, é no Teatro Viallaret que Victor se junta a nomes como Eunice Muñoz, Rogério Paulo, João Perry e Rui de Carvalho e apresenta-se ao público português, apesar de ter sido com a comédia Mostra-me a Tua Piscina que Victor se afeiçoou aos espectadores e os espectadores a Victor. A peça, estreada em 1974, esteve em cena dois anos e o grande sucesso que obteve foi o salto que o actor precisava para consolidar a sua carreira.

A Visita da Cornélia, concurso onde interpretava um palhaço, fez com que Victor assinasse contrato com a Polygram, editora musical, e gravasse três discos. É aqui que Recordar É Viver se torna, provavelmente, o maior marco da sua carreira enquanto cantor, tendo feito parte do disco Do Fundo do Coração, lançado quando celebrou 40 anos de Teatro e 25 de música.

httpv://www.youtube.com/watch?v=ZoYXkcuBiqc

Sucesso fez, também, o papel desempenhado na série humorística da SIC, Os Malucos do Riso, de 1995, onde teve a oportunidade de contracenar com várias figuras do panorama artístico nacional, como Marina Albuquerque, Camacho Costa, Carla Andrino e José Eduardo, durante o tempo em que integrou o programa (2001-2005).

Victor fez, também, parte do elenco da telenovela portuguesa produzida pela SIC, Podia Acabar o Mundo, onde interpretava Óscar Gomes (Máquina), e actualmente desempenha a personagem Alfredo na série A Família Mata, também produzida pela SIC.

Mas Victor tem mais um projecto a juntar aos seus 50 anos de carreira nos palcos. A Flor do Cacto, a última comédia de Filipe La Féria, conta com a participação especial do actor. Apresentada este Verão, La Féria convidou Victor para o papel de deputado Henrique Amaral, um político e cavalheiro casado mas com alguns traços de um galã que não pára de fazer a corte a Irene, papel interpretado pela actriz Rita Ribeiro.

Victor Espadinha é, hoje em dia, um dos actores mais aclamados pelo público português e que, apesar dos seus 72 anos de idade, ainda transmite a alegria e a paixão de quem ama as artes, em especial o teatro. Victor ainda tem muito mais para contar. E o que passou, «tudo são recordações».