Um segundo dia com menos gente, mas ainda assim que conseguiu juntar cerca de 40 mil pessoas para um cartaz de peso, onde Iggy and the Stooges e Foo Fighters foram as principais atracções, terminou bem mais tarde do que o de quarta-feira. Foo Fighters ofereceram aos fãs um concerto de duas horas e meia, recordando grandes êxitos e apresentando novos temas.

A tarde começou no palco secundário, onde os simpáticos Everything Everything actuaram logo após Crocodiles. O público estava entusiasta e as palmas fizeram-se ouvir. Pouco depois, às 18h30, Jimmy Eat World subiam ao palco principal, perante um já considerável número de pessoas que se juntava para os ver. Para além de temas mais antigos, a banda de Jim Adkins apresentou ainda temas do seu álbum mais recente Invented, de 2010, como Coffe and Cigarettes. A terminar o concerto, os norte-americanos tocaram The Middle, o seu mais conhecido tema.

My Chemical Romance actuariam pouco depois. Os gritos dos fãs anunciavam a chegada da banda liderada por Gerard Way e foi com Na Na Na que o concerto começou. O vocalista deixou já o visual que o caracterizou em tempos, apresentando-se sem maquilhagem e de cabelo vermelho, e o estilo emo deu novamente lugar ao punk-rock que marcou velhos tempos do grupo. Estes MCR muito mais “alegres” percorreram temas como Mama, Teenagers, Welcome to the Black Parade ou Helena, esta última tocada numa versão muito mais punk. Os fãs acompanharam a banda ao longo de todo o concerto, sempre a saltar e a cantar.

O regresso de Zé Pedro aos palcos depois da operação marcou a actuação de Xutos e Pontapés. O guitarrista, que foi o primeiro a subir ao palco, agradeceu a presença e apoio de todos os fãs, começando então a apresentar o resto da banda. Relembrou ainda Angélico Vieira e Zé Leonel, primeiro vocalista da banda, falecidos recentemente, anunciando de seguida o primeiro tema da noite – Sémen – da autoria de Zé Leonel. Os portugueses tocaram temas como Avé Maria, Dia de São Receber, Contentores, terminando o espectáculo com A Minha Casinha.

Ao mesmo tempo, o palco Super Bock recebia Primal Scream com casa cheia. A banda voltou a percorrer o álbum Screamadelica num belo concerto que encantou o público. No Optimus Clubbing, Goose revelou-se uma boa surpresa para os muitos que ali se juntaram para dançar, mostrando-se à altura de concorrer com os palcos principal e secundário.

O muito aguardado Iggy Pop e os seus Stooges subiram ao palco pouco antes das 23h00, para felicidade dos muitos fãs da banda de final dos anos 60. Contra o frio que se fazia sentir e contrariando os seus 64 anos, Iggy mostrou-se em grande forma, com o seu longo cabelo loiro e em tronco nu. Search and Destroy e I Wanna Be Your Dog foram alguns dos temas tocados. O lendário cantor, que continua um animal de palco, convidou alguns fãs a juntarem-se a ele e à banda, irritando-se com os seguranças que não os queriam deixar subir e, de repente, deparamo-nos com um palco mais cheio que o habitual, onde se observava uma mistura de gerações a dançar e a saltar ao lado de Iggy. Sem papas na língua ouviram-se frases como “Fuck Everything”. A animação é geral e o público delira ainda mais quando Iggy desce para junto dos fãs. Sem dúvida, este foi um dos concertos deste Alive ‘11.

No palco secundário, Os Golpes tocaram para um número considerável de pessoas que os preferiram a Iggy and the Stooges. Músicas como Quatro Bandidos, Território Justo ou A Marcha dos Golpes fizeram parte do alinhamento, e puseram o público a dançar e a cantar com a banda. Não faltou também a bela versão Dias de Cão, do tema de Florence and the Machine, Dog Days Are Over. Para terminar, não faltou a sua versão rockeira de Paixão, dos Heróis do Mar.

E foi a vez da banda mais aguardada da noite subir ao palco Optimus, por volta das 00h30, para oferecer um concerto de duas horas e meia aos 40 mil fãs ali presentes. Dave Grohl apresentou-se com a energia que o caracteriza, conversou muito com o público principalmente sobre há quanto tempo os Foo Fighters não actuavam em Portugal. Ao longo do concerto, a banda apresentou temas do novo álbum, como White Limo e Arlandria, mas também não esqueceu os grandes êxitos, que fizeram grande parte do espectáculo. The Pretender e Breakout foram temas muito cantados pelo público, que não parou de saltar, dançar e aplaudir. Não faltaram também My Hero e Learn to Fly, entre muitas outras.

O concerto teve um início muito caloroso e enérgico, tendo arrefecido um pouco a determinada altura, até que, Best of You voltou a levar os fãs ao rubro. O encore, que chegou muito perto das três da madrugada, trouxe consigo Times Like These e Everlong. Os fãs saíram decerto satisfeitos com o grande concerto dos norte-americanos, onde a entrega da banda foi mais do que muita.

Créditos:

Reportagem: Inês Moreira Santos
Fotos: Rúben Viegas