O cantor e actor sofreu um acidente de viação cerca das 3h15 da manhã deste Sábado, encontrando-se em estado muito grave. Um dia depois, o prognóstico de Angélico Vieira é ainda muito reservado. GNR avança que três dos ocupantes poderiam não trazer cinto de segurança.

Do acidente de viação resultou um morto. O passageiro que acabou por falecer, Hélio Filipe, foi cuspido do banco traseiro e atropelado por um automóvel que vinha atrás na estrada. Quanto aos restantes passageiros, Armanda Monteiro Leite foi também levada para o hospital portuense e Hugo Mendonça sofreu apenas ferimentos ligeiros.

Hugo Mendonça falou ao Correio da Manhã, explicando como se deu o acidente. O passageiro afirmou que uma roda saltou da viatura em andamento e Angélico, de 28 anos, só teve tempo para gritar “segurem-se!“, antes de o automóvel virar, embater no talude e continuar a rodar pela estrada. O pneu terá rebentado durante a viagem, causando o acidente.

O ex-membro da banda D’ZRT conduzia o BMW que se despistou e, de acordo com as autoridades, Angélico Vieira encontrava-se em estado grave quando foi levado para o hospital, apresentando hemorragias resultantes de lesões graves no tórax e nos pulmões e uma pressão arterial baixa. Angélico fazia uma viagem do Porto para Lisboa, onde iria apresentar o seu novo álbum, na Praia de Santo Amaro de Oeiras.

O DNonline contactou Cristina Paiva, agente do cantor, que se encontra no Hospital de Santo António e afirma não saber muito mais sobre o estado de saúde de Angélico. Adiantou apenas que “continua em estado grave e será transferido, logo que possível, para uma clínica privada“, manifestando esta intenção.

Angélico sofreu um traumatismo crânio-encefálico muito grave” e foi sujeito a uma intervenção cirúrgica na manhã e ontem. Encontra-se por enquanto internado na Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital, “em coma induzido e ligado ao ventilador”, afirmou o chefe de Equipa da Urgência do Hospital de Santo António, Paulo Lemos. A situação é “muito crítica” e as próximas horas serão cruciais para se compreender o estado clínico do cantor/actor, adiantaram os médicos aos jornalistas.

A GNR acredita que apenas um dos quatro passageiros que seguiam a bordo do BMW tinha cinto de segurança colocado. Todos os outros três foram cuspidos: “O carro bateu no separador lateral e o condutor, Angélico, e outro dois ocupantes foram projetados, pelo que, em princípio, não teriam cinto de segurança“. O único ocupante não projectado era o homem que seguia ao lado de Angélico, Hugo Mendonça, que sofreu apenas ferimentos ligeiros.

 

(actualizada às 15h25)


com Pedro Miguel Coelho