imagemlayer

Quando a Fé está Perto

Não só de estreias vindas de Hollywood se faz o cinema que chega às salas nacionais. Nesta semana, França é um dos países que se faz representar com o filme Hadewijch, de Bruno Dumont.

O filme, que data de 2009, ganhou o Prémio Internacional da Crítica no Festival Internacional de Cinema de Toronto, concedendo ao realizador mais um entre os vários prémios que tem recebido nos últimos tempos. O filme que, para o realizadorm é “uma catarse, uma metáfora para o interior da alma”, foi ainda selecção oficial do San Sebastián Film Festival, do New York Film Festival e do London Film Festival.

O filme foge à grande maioria dos cânones a que o espectador português que vai ao cinema se familiariza com as produções norte americanas. Hadewijch é uma história diferente, com uma densidade e uma mensagem que só o filme como um todo é capaz de fornecer. Longe de ser um filme light, Hadewijch é sobretudo um filme para reflexão, onde o espectador não é chamado a fazer parte da acção mas sim a reflectir sobre ela.

De uma forma muito geral, aquilo que o filme abarca é a questão da fé e de a podermos encontrar onde menos esperamos. Céline é uma jovem que se vê obrigada a abandonar o convento onde se preparava para ser freira e a ter de procurar no mundo exterior a presença de Deus. Uma grande lição estaria preparada para esta heroína pouco convencional.

O início do filme mostra-se demasiado pesado para o espectador, com um ritmo muito lento. A ausência de falas e cenas demasiado prolongadas podem levar quem assiste ao filme a dele desistir. Contudo, à medida que nos aproximamos do clímax final, o espectador sente maior apelo de se ligar à história que se desenrola na tela devido ao maior dinamismo da própria acção e da maior interacção entre personagens.

Dumont apropria-se de uma forma radiante da temática da religião e conduz o próprio espectador a uma reflexão contínua ao longo de todo o filme. O que é a fé? Como exercê-la? O Cristianismo e o Islamismo entram em síntese e o espectador sente que, mais do que uma religião em específico, o que caracteriza o ser humano é a própria fé.

À excepção da protagonista, as restantes personagens apresentam pouca densidade. É Céline que parece contagiar tudo o que gira à sua volta, como um elo de ligação entre histórias que de outra forma nada teriam em comum. Um bom desempenho da actriz Julie Sokolowski é certamente um dos pontos positivos a destacar.

Se este filme está longe de ser uma obra-prima do cinema francês, a verdade é que não deixa de ter uma tarefa importantíssima e que cada vez é mais rara nos filmes que chegam às salas de cinema nacionais: a capacidade de nos levar a reflectir. Por mais que o filme possa passar ao lado a quem a ele assiste, o espectador nunca sairá da sala sem pensar sobre a temática da religião e as suas implicações.

Aconselhado para todos aqueles que precisam de abandonar os filmes de pipoca e que precisam realmente de algo sobre o qual reflectir.

7/10

Ficha Técnica

Título original: Hadewijch

Realizado por:  Bruno Dumont

Escrito por: Bruno Dumont

Elenco: David Dewaele, Julie Sokolowski, Karl Sarafidis, Yassine Salime

Género: Drama

Duração: 120 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Grand Army
Grand Army. Uma série adolescente com temas que importam