Não há duas ressacas iguais. Mas há umas que nos fazem lembrar outras que já tivemos. Em A Ressaca –  Parte II a máxima ‘Em fórmula de sucesso não se mexe’ parece ter sido levada ao extremo pelos responsáveis do filme.

Las Vegas é substituída por Banguecoque, muda o noivo e o amigo desaparecido, o tigre que outrora ocupava a casa de banho dá lugar a um ‘macaquinho drug dealer’ e o antigo vilão passa a estar do lado dos heróis. Mas tudo o resto parece manter-se igual. Para todos aqueles que tiveram a oportunidade de assistir ao primeiro filme, durante cerca de uma hora e meia, a sensação mais provável perante a projecção é a de dejà vu.

Se a história é cíclica, neste filme ela torna-se literalmente cíclica. Os nossos rapazes, nos quais o álcool consegue apagar todas as memórias e levar aos locais mais estranhos, parecem não ter aprendido bem a lição e, tal como os próprios responsáveis pelo filme, caem nos mesmos erros da primeira vez. Após uma noite de intensas e caricatas situações, têm de voltar a passar por uma odisseia onde conhecem personagens peculiares na procura do amigo desaparecido. Desta vez um budista, as tradicionais prostitutas (transexuais, um pequeno pormenor), um tatuador e a máfia são algumas das figuras com que se cruzam estes divertidos amigos.

Orientado sobretudo para o público masculino, sedento de algum dia participar numa despedida de solteiro tão peculiar, o filme aposta novamente num humor acessível, sobretudo em piadas de situação um tanto ou quanto gastas, mas que continuam a conseguir soltar o riso à audiência. Sem uma linha de narrativa extremamente cativante, após os primeiros minutos do filme o espectador tem a sensação que já sabe exactamente como vai acabar a história. Sim, tal como no primeiro filme. Nem mesmo os créditos finais conseguem inovar, trazendo novamente um conjunto de fotografias que revelam explicitamente as aventuras pelo mundo do sexo, álcool e rock and roll.

Quanto ao desempenho dos actores, e tendo em conta o género, a melhor forma de o descrever seria ‘safaram-se’. Zach Galifianakis, que interpreta Alan, é certamente quem mais consegue soltar mais gargalhadas ao espectador por não ter quaisquer papas na língua e deixar escapar os segredos mais insólitos.

Para quem não assistiu ao primeiro filme e para os que mesmo tendo assistido querem passar uma noite com boa disposição, esta poderá ser uma boa escolha. Apesar de fórmulas repetidas, e face à falta de filmes do género (cujo humor parece ser transcendental), A Ressaca – Parte II conseguirá certamente vingar nas salas de cinema e fazer os portugueses soltar umas boas gargalhadas nestes tempos em que a tristeza parece ser parte da alma nacional.

O trailer do filme, como tem sido hábito nos últimos tempos nesta matéria, apenas revela as partes de maior dinamismo cinematográfico (neste caso, com mais piada), conduzindo a uma espécie de sensação de falta de surpresa para o espectador quando este se senta na sala de cinema.

7/10

FICHA TÉCNICA

Título original: The Hangover – Part II

Realizado por:  Todd Phillips

Escrito por: Craig Mazin, Scot Armstrong, Todd Phillips, Jon Lucas e Scott Moore

Elenco: Liam Neeson, Zach Galifianakis, Bradley Cooper, Jamie Chung, Juliette Lewis

Género: Comédia

Duração: 102 minutos