Pete Doherty foi condenado a 6 meses de prisão por posse de cocaína. O caso da morte do actor Mark Blanco poderá trazer ainda mais problemas ao artista. 

A prisão surge no seguimento das investigações da morte de Robyn Whitehead, realizadora e amiga de Doherty, que morreu em 2010 vítima de uma overdose fatal de cocaína, enquanto terminava o documentário The Road to Albion sobre os  Libertines, ex-banda do músico britânico. Apesar de isento de responsabilidades na morte de Whitehead, foi condenado por posse de cocaína.

O vocalista admitiu a culpa e já começou a cumprir a sua pena. Cumprirá pena efectiva pela terceira vez. Em 2003, quando ainda era membro dos The Libertines, cumpriu 2 meses de prisão depois de ter roubado alguns objectos, incluindo uma guitarra e um computador, da casa do vocalista e guitarrista da banda, Carl Bârat. Em 2008, Pete Doherty passou 4 semanas atrás das grades de  Wormwood Scrubs, em Londres, por violação de uma pena de liberdade condicional a que estava sujeito pela posse de drogas e condução ilegal. O juiz que agora condenou o artista teve em conta o facto de este ter um vasto registo criminal e ter sido presente em tribunal por 13 vezes.

Os problemas com a justiça, para além de mais escândalos relacionados com droga, não se ficam por aqui. Pete Doherty poderá ter de responder, ainda, a uma acusação judicial sobre o seu alegado envolvimento na morte de Mark Blanco, um actor de 30 anos que morreu após ter caído de uma varanda de uma festa em Londres, em Dezembro de 2006. Jonathan Jeannevol, guarda costas de Pete Doherty, confessou em audiência ter morto o actor, mas acabou por negar a sua confissão. Doherty foi alegadamente visto a fugir do prédio instantes depois da queda de Blanco. As investigações prosseguem, mas a família pondera uma acção judicial privada contra Pete Doherty e o seu guarda-costas, bem como o agente literário Paul Roundhill, o organizador da festa no seu apartamento em Whitechapel, caso a polícia não apresente queixa.