O circo deve ser dos espectáculos a que mais gosto de assistir. Os palhaços, os malabaristas, os domadores de feras, os mágicos, as bailarinas. Tudo isso transporta-nos para um real imaginário que nos embala no fim de cada actuação.

Water for Elephants, um filme de Francis Lawrence, pretende realçar a realidade circense e a árdua vida de viver num comboio, de cidade em cidade. Este é um filme dramático, dizem eles. Mas de dramático teve muito pouco. E de magia de circo também.

Um estudante de veterinária, Jacob Jankowski (Robert Pattinson), abandona a sua cidade e o seu curso após a morte dos seus pais. Uma noite, embarca num comboio circense e o jovem, que até então andava sem rumo, encontra-se perante um mundo que está ligado à sua paixão: os animais. Jacob acaba por se tornar veterinário do Benzini Brothers – O Maior Espectáculo do Mundo. August (Christoph Waltz) é o dono do circo e possui uma personalidade dúbia que torna a sua mulher, Marlena (Reese Witherspoon), uma artista fraca e a maior atracção do circo. Então, aquilo que podia ser uma história feliz, acaba por mudar de figura quando Rosie, uma elefanta, chega ao circo.

Pois bem, este podia ser um grande filme. Este podia ser um dos melhores filmes do ano. Este podia ser um filme onde Christoph Waltz poderia realmente mostrar o quão bom actor é. O mesmo para Reese e para Robert, que era para ver se tirava a mancha no seu curriculum por ser o protagonista da saga vampiresca. Mas não. Numa palavra: fiasco.

Faltava energia, emoção, paixão por parte dos actores. A história perdeu muito do ritmo que podia ter ao falhar neste pormenor importantíssimo. O que contrastava com isso eram precisamente as perspectivas, os planos, as cores. Mas não é só isso que faz um bom filme.

Durante o filme, esperei sempre pelo momento em que o pouco dinamismo se transformava em algo de tirar a respiração. Mas não. Os momentos propícios a isso, foram facilmente apagados ou por falta de música nas cenas certas, ou por uma representação pobre, vazia e que deixava muito a desejar.

Havia cenas a mais. Coisas que podiam ser facilmente retiradas e tornavam o filme mais pequeno (duas horas e tal, num filme destes, torna a coisa muito maçadora) e possivelmente mais interessante.

O que mais atraiu os espectadores foi a pequena Rosie, a elefanta que dava o ar de sua graça e fazia soltar palavras de espanto. Essa sim, era adorável. E essa sim, tornou o filme algo “suportável” de se ver. De resto, fiquei desiludida. Em cima da mesa estavam uma série de elementos que foram mal conjugados.

 

4/10


Ficha Técnica

Realização: Francis Lawrence

Argumento: Richard LaGravenese e Sara Guen

Elenco: Reese Witherspoon, Robert Pattinson, Christoph Waltz, Hal Holbrook, entre outros