Captura de ecrã - 2011-04-16, 17

Uma explosão de vida

Os The Gift estão de volta, sete anos depois, dispostos a conquistar o mundo com um novo álbum verdadeiramente explosivo. Explode faz uma apologia das coisas boas da vida e transporta-nos para uma banda de cara lavada (ou suja de tinta fresca), fortemente influenciada por uma fulgurante viagem à Índia. Sónia Tavares, Nuno Gonçalves, John Gonçalves e Miguel Ribeiro regressam para mostrar que a música portuguesa ainda tem muito para dar e pode assumir diversas cores e feitios.

A explosão de cores, sabores, sensações, paixões, sons, é audível desde o primeiro minuto de Let It Be By Me, faixa que dá início ao álbum. A voz da vocalista mistura-se com os ritmos descontrolados e confusos da música, exigindo uma grande capacidade de atenção para se conseguir distinguir todos os sons presentes. O meu conselho é que não os tentemos distinguir e apreciemos a sonoridade única da sua junção, bem como o final brusco e cru da canção, surpreendente e deliciante.

Made For You é um hino à esperança, à amizade e ao amor, à confiança nos outros e sobretudo em nós próprios. Numa época em que se fala de redes sociais a toda à volta, o verso “Read books not facebooks” está a ficar na boca de todos, aqui celebrizado pelos The Gift, que misturam de novo uma enormidade de sons e sensações nesta canção. É uma das que mais apetece gritar aos céus, para ti, para ele e para ela, porque nos identificamos verdadeiramente com a necessidade de confiança e a emoção aqui ilustradas.

Segue-se RGB, com um início já conhecido de todos nós. A originalidade prende-se desde logo com o nome da canção, representante das cores primárias: vermelho (magenta), verde e azul – “they make my life full of light flashing“. Estas são associadas ao amor, à alegria, como de resto acontece em todo o álbum, numa letra que parece confundir quem a ouve mas que, ao mesmo tempo, consegue fazer todo o sentido para quem a decifra. Os solos instrumentais são perfeitos e a última quadra marca definitivamente esta RGB como um romance, uma enorme paixão pela vida, que agrada ao ouvido.

Mermaid Song fala-nos de sereias, de vida eterna e de reis, conjugando harmoniosamente as vozes masculina e feminina, em uníssono, bem como os sons electrónicos e ritmos diversos. A letra repete-se, mas sob formas ligeiramente diferentes, o que acaba por lhe dar uma tonalidade engraçada. No entanto, acaba por ser uma das músicas menos interessantes do álbum, uma passagem para o que se segue: uma maratona de The Singles, com cerca de doze minutos.

Com um ritmo agradável e mutável ao longo do tempo da música, começa por ser mais rebuscada, mais incisiva, quase furiosa, mas acalma pouco depois, surgindo mais romântica e confiante. A analogia com os “paper cuts” contribui para esta identificação entre quem canta e quem ouve e para a falada perda do medo. O meio da canção marca a mudança do instrumental, mais à frente marcado por um ritmo forte e egoísta na forma de se mostrar: um “open your eyes” que significa não ter medo e não olhar para trás.

Sentimos que ouvimos três ou quatro músicas numa só, com letras tão diferentes e desligadas, mas ligadas entre si pela relação com o “eu” presente, que pode ser o “eu” de qualquer um. Com referências a bandas e situações da actualidade, a parte final é bastante repetitiva ao nível sonoro, mas agracia-nos com uns versos final que nos deixam apáticos pela sua sinceridade: “I’m feeling fresh now / Can see what’s right and wrong / Stop it now / I just did a 12 minute song“. Doze minutos de balanço positivo.

Primavera é a única canção cantada em português, neste álbum, com a voz de Sónia Tavares em grande destaque. Não sendo original na sua composição, agrada pelo refrão, pelos instrumentais, pelo romance que a rodeia e está implicado na letra. É bonita na sua génese e no que pretende acender em quem ouve, uma espécie de melancolia de quem ama, mesmo não sendo correspondido, mantendo a esperança na felicidade.

Stars will light your way” é o verso que me fica de Aquatica, uma balada no meio de tantas sonoridades, agradável e sensível de ouvir. Traz-nos um “first born son” que deverá conquistar o mundo, um rei que nasceu ou um simples indivíduo que deve encontrar o seu lugar no mundo. Mais uma vez, a vida aqui em destaque. Quanto a My Sun, brilha desde o início com os desejos de “one day” e as possíveis concretizações, “now“, desses e outros desejos, como um sol que nasce para um novo dia. “It’s because your life has just healed me…” – de novo o amor e a vida no centro do bem-estar, numa canção melodiosa, que fica certamente no ouvido.

httpv://www.youtube.com/watch?v=9cSRgEaD0to

Suit Full of Colours apresenta-se como outra das minhas favoritas deste Explode. Podemos dizer que é uma explosão de emoções, de desejos, de amor, na junção de dois mundos. Faz-nos sorrir pela sua simplicidade, pela forma como nos toca, com o “yes” e o “no” como desejo e medo, respectivamente. Pela sonoridade explosiva por si só, que se integra plenamente na tentativa de preservar algo que não se quer quebrar, nem que seja através de uma abordagem diferente do amor.

O “the end is near” presente em The Race is Long parece tentar consciencializar-nos de que faltam poucas músicas para terminar, pois não queremos parar de o ouvir. Ligeiramente repetitiva, esta música tem uma “beauty melody” e uma letra cheia, verdadeiramente recheada de tudo e nada, quase não se ouvindo no centro da explosão sonora. Fala-se de decisões difíceis, de confiança e de sonhos – um termo que ainda não tinha referido, mas se pode anexar a todo o álbum também.

Os oito minutos de Always Better If You Wait For The Sunrise, que são também os últimos do disco, realçando novamente a voz da vocalista, num desejo impossível de recuperar o amor vivido no passado. É poderosa, de uma carga emotiva muito forte, quase levando de nós a respiração. Há desespero e aflição na voz e na letra, em contraste com o início da música, calmo e saudável, que se reencontra algures na mesma. E sabe muito bem compreender isto à medida que se vai ouvindo uma e outra vez.

Explode é o quinto álbum dos The Gift, sete anos depois de AM-FM. Notam-se nele as influências de uma viagem à Índia, tornando-o mais arriscado, totalmente diferente dos anteriores. A verdade é que nunca gostei particulamente deles até ouvir pela primeira vez este trabalho. Explode supera tudo o que os quatro elementos da banda já fizeram.

É um álbum alegre, com as suas crises melancólicas pelo meio (e de originalidade também), cheio de sentidos e sensações, numa grande mistura de sons e cores que nos tocam de uma forma especial. É um trabalho que me faz ficar fã deles, de imediato, por tudo o que consegue captar e transmitir em apenas uma hora de música. A sua beleza é conseguida pelo risco que corre, por surpreender os que ouvem – no fundo, por se tratar de um trabalho original e valorativo da música portuguesa, ainda que maioritariamente cantada em inglês. Os concertos no estrangeiro que o digam.

Muitos podem vê-lo como uma perda de identidade dos The Gift e por estes tentarem dar um passo maior do que a perna. Vejo-o antes como uma tentativa de criar uma nova identidade, através de diferentes sonoridades, o que só fica a perder com algumas músicas menos bem conseguidas. No geral, este Explode é um ‘presente’ quase perfeito, na forma como se identifica com cada um de nós, numa verdadeira explosão de cores vivas e da vida em si. Para ouvir num dia mau ou num dia bom; para ouvir sempre que apetecer.

8/10

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Mads Mikkelsen vai substituir Johnny Depp em ‘Monstros Fantásticos 3’