Antonio_Zambujo_2_HD[1]

António Zambujo em Portugal

António Zambujo abre o Festival Músicas do Mundo de Sines, dia 22 de Julho, no Castelo de Sines. O festival abre assim com World Music bem portuguesa: o internacionalmente aclamado fado de António Zambujo.

Internacionalmente aclamado e também ocupado. O concerto será um regresso a Portugal depois de uma série de concertos, de Abril ao início de Julho, pelos mais diversos países do mundo: de Espanha ao Azerbaijão, passando pela Suécia, Brasil, Israel e Bulgária. Apenas a 4 de Junho se lê timidamente Beja na agenda oficial do fadista.

O sucesso internacional começou bem antes do nacional que, de resto, nunca se fez notar como em França, por exemplo, onde, em 2008, o seu álbum Outro Sentido (2007) chega ao terceiro lugar do Top Fnac. O lançamento nos Estados Unidos e na Europa deste álbum, pela editora Harmonia Mundi, foi a pedra de toque para o reconhecimento do público internacional. Por esta altura, já tinha actuado em palcos franceses, croatas, canadianos ou espanhóis com alguma regularidade; também já tinha sido convidado para o Festival Atlantic Waves, em Londres, e reconhecido com o Prémio Amália Rodrigues para melhor intérprete masculino de fado. Até aqui o tinham trazido os trabalhos O Mesmo fado (2002) e Por Meu Cante (2004).

Em todos eles, António Zambujo assume-se como filho de Alentejo, nascido em Beja, criado ouvindo os cantares alentejanos, entoados da forma mais genuína possível: pelas gentes do Alentejo, em tascas e tabernas, ou a entreter a alma enquanto o corpo se vê no esforço do trabalho. Para além disso, havia os discos de música francesa e ligeira da mãe e, sobretudo, os discos de fado do pai, que apesar de ser “o pior cantor do mundo”, segundo as palavras do próprio António Zambujo, teve o mérito de o juntar desde cedo ao fado.

httpv://www.youtube.com/watch?v=Q6FnndViPmA

A sua educação juntou-o realmente à música aos oito anos, quando começou a estudar clarinete no Conservatório Regional do Baixo Alentejo, mas o que ficou para o seu fado foi antes a educação informal da família e da sua terra. A cadência, o balanço, a voz simples, a harmonia e a frase do Cante Alentejano é inegável no seu fado. Outras influências surgiram, em especial em Outro Sentido.

Ia ouvindo compulsivamente João Gilberto, Chico Buarque, Tom Waits e ansiava que lhe dissessem que parecia Chet Baker. Nas casas de fado onde foi começando a actuar, primeiro para fazer as vezes de quem faltava, depois como cantor residente, amigos fadistas mais experientes adoravam-no no seu registo mais tradicional, mas eram reticentes em relação às suas viagens por aquilo a que já não chamavam fado, mas sim música brasileira.

Depois de António Zambujo descobrir o Brasil na sua música, o Brasil descobriu António Zambujo. Entre 2008 e 2009, actua várias vezes no Brasil, contando com participações de figuras da música brasileira nos seus espetáculos, como Roberta Sá ou Marcelo Gonçalves. Na plateia estão mitos como Ney Matogrosso e Caetano Veloso, que não hesitou em escrever no seu blog sobre o músico português. Disse sobre ele que não é como aqueles músicos e bandas que se ouvem e se gosta simplesmente. É daqueles que se quer ouvir mais e permanentemente. É a primeira voz masculina do fado de que realmente gostou e que, com ele, se vai “ao fundo do fado”. “É de arrepiar e fazer chorar.”

Outro Sentido trouxe ainda outras alegrias ao fadista: o espectáculo deste álbum é considerado um dos 10 Melhores Concertos Internacionais do Ano, pelo jornal O Globo (Brasil), ao lado de nomes como Elton John ou Kiss; e ganha o título de Top of the World Album pela revista Songlines.

httpv://www.youtube.com/watch?v=K1P1Y_z8EVw

Em 2010, com Guia, o sucesso continuou e expandiu-se. Continuaram as digressões internacionais e nacionais, a crítica positiva, publicações nacionais e internacionais a considerarem-no um dos melhores do ano e o prestígio de acutar no palco do Copenhagen Concert Center na Womex 2010, o mais importante festival e mostra de world music do mundo.

Durante todo este tempo, continuou a cantar em Portugal, no início da carreira em diversas casas de fado (como o mítico Senhor Vinho, de Maria da Fé), em digressões nacionais, cantou Anda Comigo Ver os Aviões com Os Azeitonas e chegou mesmo, antes de todo o sucesso, a ser o marido de Amália Rodrigues, no musical de Filipe La Féria, Amália.

O Portugal onde, como ele próprio afirmou, “não se passava nada”, parece estar agora a acordar para António Zambujo.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Nicki Minaj
Nicki Minaj vai ter uma nova série documental na HBO Max