Se tivéssemos de eleger o rosto que marca os últimos anos da televisão em Portugal, Júlia Pinheiro é o nome a escolher.

Nasce a 6 de Outubro de 1962, no mesmo dia em que 30 anos depois se iniciavam as emissões da SIC, o primeiro canal privado português, para onde Júlia se mudou há poucas semanas com armas e bagagens para abraçar novos projectos.

A menina que cresceu na Margem Sul do Tejo estreia-se com 19 anos na RTP em 1981 com uma passagem rápida no programa Estamos Nessa, mas foi na Rádio Renascença que cresceu enquanto profissional, onde fica entre 1984 e 1992. Aí conhece Rui Pêgo, que viria a ser seu marido (já lá vão 26 anos) e pai dos seus três filhos, as gémeas Matilde e Carolina e Rui Maria, também conhecido do público pela apresentação do programa Curto Circuito na SIC Radical.

Contudo, o grande reconhecimento por parte do público dá-se na televisão, à qual Júlia regressa em 1992 para dar a cara pelo novo canal que surgia em Portugal, a SIC, onde ficaria nos 10 anos seguintes.

A estada na SIC inicia-se com Praça Pública. No ano de 1995, Júlia dedica-se a Cantigas do Maldizer e a Só para Inteligentes.

Entre 1994 e 1997, a apresentadora faz parte de um dos mais badalados programas da altura, Noite da Má Língua, juntamente com Rita Blanco, Rui Zink, Manuel Serrão e Miguel Esteves Cardoso, onde se debatia com a língua bem afiada as mais variadas situações e acontecimentos que marcavam a actualidade do país.

Em 1997, Mr. World entra na lista dos programas apresentados por Júlia Pinheiro, sendo seguido em 1998, por Filhos da Nação e SOS SIC.

Júlia prova que é uma mulher versátil, passando a apresentar o programa das manhãs SIC 11 Horas (posteriormente, SIC 10 Horas). Curiosamente, o seu lugar viria a ser ocupado por Fátima Lopes aquando da sua saída, tendo acontecido o mesmo anos mais tarde no As Tardes da Júlia, desta feita na TVI.

A entertainer apresenta ainda nas noites da SIC o talk show Noites Marcianas, onde durante cerca de uma hora e meia, o público assistia, num ambiente divertido, a um debate sobre um tema central ou a uma entrevista de fundo a uma personalidade do panorama nacional.

O último projecto que Júlia abraça em Carnaxide é o Às Duas por Três em 2002, um talk show durante a tarde, juntamente com Fernanda Freitas e Henrique Mendes. A apresentadora acaba por deixar a apresentação do programa com a saída para a RTP.

httpv://www.youtube.com/watch?v=rqIThq29mQU

A presença no canal público é pequena, mas não deixa de ser importante. Quem não se lembra da postura austera de Júlia Pinheiro no concurso O Elo Mais Fraco com a célebre frase “É o elo mais fraco. Adeus.”?

No mesmo ano e ainda na RTP, apresenta o programa de debate Gregos e Troianos e o Jogo da Espera.

httpv://www.youtube.com/watch?v=XREHRLpVVZE

Terminava assim a passagem de Júlia Pinheiro na estação pública e dava-se início a um percurso de luxo na TVI.