O Festival RTP da Canção continua a dar que falar. Sílvia Alberto, a apresentadora do evento, é mais uma voz a juntar-se à contestação aos vencedores, admitindo, em entrevista ao site grego Oikotimes, que preferia outra canção a representar o nosso país na EurovisãoNuma entrevista rápida no final do certame, mas que só hoje foi publicada pelo Oikotimes, Sílvia Alberto admite ainda que o público presente no Teatro Camões “preferia ser representado por outra canção“, mas que esta é uma “reacção natural no Festival da Canção“, porque se tratam de claques “a apoiar a sua equipa“.

Sobre o acolhimento que a canção poderá vir a ter na Europa, a apresentadora explica que a música se refere a uma revolução portuguesa e desconhecida de grande parte do público europeu, mas que “eles são engraçados” e que foi o público, em casa, que os escolheu democraticamente, atribuindo grande parte do resultado ao reconhecimento de Jel junto do público português e afastando a questão política como motivo desta escolha e dizendo mesmo que “todos sabem que eles não fazem isto para lutar por um mundo melhor“.

A vitória dos Homens da Luta que acabou por surpreender a anfitriã do Festival, que se considera “conservadora” e acabou por referir ter outras canções que preferiria para representar Portugal, como as músicas de Nuno Norte, Rui Andrade e Wanda Stuart.

Quando questionada sobre a possibilidade de, um dia, o Festival Eurovisão da Canção ser realizado em Portugal, assume que seria “espectacular“, dando a produção do Festival da Canção 2010, no Campo Pequeno, como a prova de que o nosso país conseguiria produzir algo dessa envergadura, assumindo “questões monetárias” como a razão principal para a transferência para o Teatro Camões na edição de 2011. Para fundamentar esta opinião, refere ainda a tradição portuguesa na produção de eventos, como a Expo98 e o Euro2004. Se tal acontecesse, Sílvia Alberto gostaria de ter como companheiro na apresentação o seu parceiro nas duas primeiras edições do Ídolos, Pedro Granger.

Nas revelações da entrevista, a apresentadora admite estar a ponderar a possibilidade de ser comentadora na próxima edição do Festival, ocupando o lugar já preenchido por Eládio Clímaco, Isabel Angelino, Jorge Gabriel ou, mais recentemente, Hélder Reis.