O cantor de 60 anos aponta os problemas de saúde como principal causa do abandono da música, mas, admite, a verdade é que já não se sente confortável neste mundo e as suas prioridades são, agora, outras. Em confissão à FHM, esta é a segunda vez que Phil Collins anuncia o fim da carreira. Será que é desta?

Não mostra qualquer remorso nesta sua decisão de terminar a carreira: “Vejo os prémios da MTV e penso: não posso estar neste negócio. Não pertenço àquele mundo e não me parece que alguém vá ter saudades minhas“, declarou Collins, remetendo para a música que se faz nos dias que correm, acreditando que não vão sentir a sua falta. Numa atitude algo derrotista, o músico pede desculpa pelo sucesso obtido na sua carreira, compreendendo que as pessoas o tenham passado a odiar.

40 anos compõem a carreira de Phil Collins, alguns como baterista da banda Genesis, outros como vocalista da mesma – após o abandono de Peter Gabriel – e outros ainda a solo. Arrecadou sete Grammys e um Óscar pela canção You’ll be in My Heart, da banda sonora do filme de animação Tarzan (1999).

Apesar da magnífica carreira, hoje, Collins diz-se saturado da música e fragilizado por alguns problemas de saúde: a diminuição da audição e problemas nos nervos de uma das mãos. Pretende também passar mais tempo com os filhos, com a família, tendo adquirido novas prioridades: “Não estou preocupado com voltar a tocar bateria, mas sim com poder cortar um pão em segurança, ou construir coisas para os meus miúdos“, afirmou.

Já em 2008 o músico tinha avançado que não ia gravar mais álbuns, mas eis que, em 2010, Going Back chega às bancas como um álbum de covers do cantor. Agora, Phil Collins parece declarar o fim definitivo da sua vida enquanto músico. Os fãs esperam que seja apenas mais uma pequena pausa na sua carreira.