Brevemente Tom Waits voltará às luzes da ribalta. E tal regresso não se deve, unicamente, à sua entrada no Rock and Roll Hall of Fame, museu em Cleveland, Estados Unidos, que pretende imortalizar artistas e outras personalidades influentes no mundo da música rock e pop. Essa cerimónia está, pois, marcada para dia 14 de Março.

Também não foi o seu recente trabalho a nível literário, «Seeds on Hard Ground», cujo dinheiro da venda reverte para variadas organizações de caridade e que já anda nas bocas do mundo. O regresso do «mago», como também é conhecido, prende-se, então, com a gravação do seu novo álbum, anunciado pelo cantor no twitter.

O sucessor de Glitter and Doom Live, lançado em 2009, ainda não tem título nem previsão de lançamento, mas certamente fará jus ao vasto trabalho do artista que, de álbum para álbum, tem vindo a surpreender os seus fãs, adquirindo uma já admirável postura alternativa.

Foi devido à sua voz rouca e às letras intrigantes que temas como Chocolate Jesus, Falling Down e Little Drop of Poison marcassem a carreira do músico norte-americano, que conta já com quatro décadas de êxitos. Para além das diversas nomeações, Waits ganhou dois Grammys Awards: um, em 1992, de Melhor Álbum de Música Alternativa com Bone Machine e outro em 1999 de Melhor Álbum de Folk Contemporâneo com Mule Variations.

«Fiquem atentos!». Esta é, então, a sugestão do cantor, destacada na sua página oficial, quanto ao seu novo álbum. Assim, a grande questão coloca-se, impreterivelmente: será que é desta que Tom Waits estreará nas salas de espectáculo portuguesas?