Harry Potter 7
Fotografia: Divulgação

O Início do Fim

Um dos filmes mais aguardados do ano chega finalmente às salas de cinema de todo o mundo. Harry Potter e os Talismãs da Morte – Parte 1 marca o regresso do jovem feiticeiro que continua a encantar miúdos e graúdos.


O sétimo filme da saga de J.K. Rowling revela-se uma agradável surpresa. Trata-se certamente de um dos melhores filmes Harry Potter e talvez o melhor dos anteriores realizados por David Yates. É superior a Harry Potter e o Príncipe Misterioso e supera a léguas a desilusão da Ordem da Fénix.

A história roda, como sempre, em torno de Harry, Ron e Hermione que, depois da morte de Dumbledore, vão continuar o que este começou – descobrir e destruir os Horcruxes, o segredo da imortalidade de Voldemort. Harry Potter está prestes a fazer 17 anos e a protecção que a casa dos seus tios oferecia irá acabar. É importante levar o jovem feiticeiro para um lugar seguro, onde o Senhor das Trevas não o possa encontrar. Todavia, nem tudo corre bem. O mundo dos feiticeiros tornou-se perigoso e os três amigos têm de partir para onde ninguém os encontre. Mas os inimigos aproximam-se e todos os aliados de Voldemort querem capturar Potter.

A única solução é que os três amigos descubram os Horcruxes antes que Voldemort os encontre. Na procura de pistas, descobrem uma lenda muito antiga – a dos talismãs da morte, os três objectos mais poderosos do mundo dos feiticeiros. Se a história for verdadeira, Voldemort poderá estar prestes a ter o poder de que precisa, tornando-se invencível.

A primeira parte dos Talismãs da Morte traz consigo mais aventura, emoção, suspense e humor. É um filme com muito ritmo, apesar de pouco avançar para o grande final, é mais pesado que os anteriores, e irá agradar, com certeza, aos fãs (como eu), mas também aos que nunca leram os livros de J.K. Rowling.

Nos dois últimos Harry Potter, realizados por Yates, é notório o ambiente sombrio que os envolve. Essa característica, que tanto me agrada no realizador, intensificou-se ainda mais nos Talismãs da Morte. O suspense reina em muitas das cenas e é inevitável que o espectador apanhe alguns sustos, bastante bem conseguidos.

Os cenários deslumbrantes acompanham Harry, Ron e Hermione em todos os locais onde passam. O trabalho de fotografia a cargo do português Eduardo Serra é fantástico. A banda sonora é, como sempre, muito envolvente e esteve, desta vez, a cargo do compositor Alexandre Desplat (A Bússola Dourada, O Estranho Caso de Benjamin Button, O Escritor Fantasma, Lua Nova, etc.). Para esta primeira parte, há no total 26 músicas.

Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint mostram neste filme que mereceram ter sido os escolhidos para protagonistas da saga. Nota-se que cresceram imenso como actores desde 2001 e, se ainda restavam dúvidas quanto ao seu talento, todas elas se dissipam ao assistir a Harry Potter e os Talismãs da Morte.

Alan Rickman e Helena Bonham Carter voltam a destacar-se pela sua sempre excelente prestação. Quanto a Rickman só tenho pena que a sua participação seja tão pequena nesta primeira parte. É lamentável que só o possamos ver brilhar uns poucos minutos no início do filme.

Uma agradável surpresa é Rhys Ifans na pele de Xenophilius Lovegood, pai de Luna. O actor tem um desempenho exemplar e acaba por ser uma figura importante no desenrolar deste filme.

Contudo, e apesar de, como já referi, este ser para mim um dos melhores filmes de Harry Potter, há aspectos a apontar. O filme é demasiado grande para uma primeira parte do capítulo final da obra-prima de Rowling. Por um lado, o argumento de Steve Kloves está muito fiel ao livro, o que é muito positivo. Arrisco a dizer que esta possa mesmo ser a adaptação mais fiel das sete. Todavia 146 minutos é demasiado tempo para tão poucos desenvolvimentos na acção.

É também por este motivo que não concordo com a divisão do sétimo livro em dois filmes. O espectador ganharia certamente mais com um único Harry Potter e os Talismãs da Morte, mas de maior duração. Tome-se como exemplo os filmes da trilogia do Senhor dos Anéis com cerca de três horas cada e cujo o resultado foi fantástico. Com duas partes, põe-se ainda a questão de que há, obviamente, certos pormenores que se irão perder na memória do espectador, de Novembro a Julho, data da estreia da segunda parte. É certo que também os interesses económicos devem ter falado mais alto. Dois filmes irão render o dobro e, se o 3D for para a frente no derradeiro filme, então o lucro será ainda maior.

Interesses à parte, importa reter que se está perante um dos melhores Harry Potter de sempre. E apesar da longa duração do filme, David Yates consegue prender-nos ao ecrã do primeiro ao último minuto. A emoção, aventura e humor estão garantidos e, já que temos mesmo esperar até ao próximo Verão, a cena final deste Harry Potter e os Talismãs da Morte – parte 1 vai aguçar-nos muito o apetite para o que aí vem.

8/10

Ficha Técnica

Título original: Harry Potter and the Deathly Hallows: Part 1

Realizado por: David Yates

Escrito por: Steve Kloves, a partir do livro de J.K. Rowling

Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, John Hurt, Ralph Fiennes, Helena Bonham Carter, Alan Rickman

Duração: 146 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Cinema
Salas de cinema registam quebra de 95,6% no número de espetadores em julho